PSORÍASE

Doença inflamatória e crônica, não contagiosa, provocada pela aceleração da renovação celular da pele. Atinge 1 a 3% da população mundial. Afeta a qualidade de vida e autoestima, devido à aparência das lesões. O ideal então, é procurar tratamento logo no início da doença

Causas

A causa é desconhecida, mas tem susceptibilidade genética. O estresse emocional desencadeia novas lesões. O consumo de bebidas alcóolicas e o tabagismo também podem piorar o quadro.

Sintomas

Psoríase Vulgar: manifesta-se com placas vermelhas com escamas esbranquiçadas. Coçam e podem aparecer em qualquer parte do corpo, sendo mais comuns nos cotovelos, joelhos, tornozelos.

Psoríase Ungueal : as alterações nas unhas, podem ser na cor, na espessura ou deformidade, com descolamento, algumas vezes simulando uma micose de unhas.

Psoríase de Couro Cabeludo: surgem escamas esbranquiçadas sobre áreas vermelhas e irritadas. Em casos mais leves, se assemelha à dermatite seborreica, mas a área avermelhada é maior.

Psoríase Gutata: as lesões são pequenas, em forma de gota, espalhadas pelo corpo e em grande número. Mais comum em crianças e até os 30 anos. Pode ser desencadeada por infecções bacterianas, especialmente as de garganta.

Psoríase Invertida: acomete mais áreas úmidas, como axilas, virilhas, inframamárias. Mais comum em pessoas obesas.

Psoríase Pustulosa: pode acometer somente palmas de mãos e plantas de pés ou todo o corpo. Quando é generalizada, pode apresentar sintomas sistêmicos, como febre, calafrios, e mal-estar.

Psoríase Eritrodérmica: Forma mais grave e menos comum. Apresenta vermelhidão por todo o corpo.

Artrite Psoriática: apresenta, além das lesões de pele, dor e inflamação nas articulações. Acomete mais articulações dos dedos dos pés e das mãos, causa dor e limitação dos movimentos.

 

Tratamento

O tratamento varia de acordo com a forma de apresentação, sendo individualizado. É possível viver com a doença sob controle, com poucas ou nenhuma lesão, independente da gravidade.

Casos leves, com poucas lesões, um bom hidratante e cremes de corticóides tópicos são indicados somente nas lesões, junto com a exposição diária ao sol, por tempo limitado e nos horários seguros. Essas medidas costumam ser suficientes para manter a doença sob controle.

Casos moderados, associa-se a Puvaterapia, que combina medicamentos orais (os psoralenos) e exposição à luz ultravioleta A, ou UVB Narrow band, através de  aparelhos direcionados que emitem a luz.

Casos graves, medicamentos orais ou injetáveis são prescritos sob orientação médica. Os biológicos são uma linha de medicamentos injetáveis, para o tratamento de psoríase moderada a grave, entre eles os Infliximabe, etarnecept, adalimumabe.

O acompanhamento de um psicólogo é necessário em casos com maior acometimento de qualidade de vida e autoestima.

Abrir chat
Precisa de ajuda?